Em tempos de crise a melhor saída é passar num concurso e virar funcionário público.

Este raciocínio simplista habita a consciência da maioria dos candidatos a uma vaga no governo. Mas nós sabemos que passar num concurso não é tão simples assim.

Acontece que a brilhante ideia de passar num concurso não é exclusividade de um, mas de milhões de brasileiros, afinal, quem não gosta da proposta de que, faça chuva ou faça sol, todo mês o salário está na conta?

Mas a realidade mostra uma concorrência agressiva, uma concorrência digamos… eclética.

Aquele rapaz magrelo que instalou a parabólica na sua casa está na briga, aquela atendente simpática da padaria, que só cursou o ensino médio também. Tem o vendedor de carros, o dono da loja de recarga de cartuchos e aquele que jura que um dia será juiz, apesar de escrever “direpente”, “com tigo”, “intendo”. Esse tipo de concorrente, tenho certeza que você tira de letra, mas e os outros? Mas e ex-empresário formado em economia na PUC, o dentista, o engenheiro, o pós-graduado, os doutores e nerds? É bem verdade que concurso público virou uma competição acirrada de tigres ferozes atrás de um pedaço de bife. Para garantir a sua lasca você terá que rachar de estudar.

Ficou assustado? Não é para tanto. Você tem chances reais de aprovação, porque a maioria dos seus concorrentes cometem sempre os mesmos erros. Se você fizer a coisa certa, terá tudo pra dar certo.

Preparei um roteiro com os erros mais comuns cometidos por estudantes durante a preparação em provas, vestibulares e concursos. Se você tiver o cuidado de não cometê-los, aumentará consideravelmente suas chances de aprovação. Veja abaixo quais são:

[inicio-resumo]

Índice

1 – Falta de planejamento

2 – Reclamar das matérias

3 – Deixar dúvidas para trás

4 – Ignorar a importância da memória

5 – Ser um eterno estudante do fundamental

[fim-resumo]

1 – Falta de planejamento

Olhar para uma pilha de livros e perguntar: Deus, por onde eu começo? Tem algo mais desanimador para quem estuda? É absurdo, mas apenas 2% dos estudantes brasileiros seguem um planejamento de estudo, o famoso, Plano de Estudo. Um bom plano de estudo é como um mapa que o ajuda a determinar:

  • Quantas matérias você pode estudar por dia;
  • A carga horária ideal para a semana;
  • O ciclo de estudo satisfatório para manter os estudos em dia;
  • Um bom método de monitoramento de resultados.

Fazer um Plano de Estudo é como ir a uma alfaiataria, tem que ser sob medida. Não adianta ficar garimpando na internet modelos de plano de estudo. O que serviu para a aprovação de outras pessoas com certeza não servirá para você, porque são métricas diferentes. É preciso personalizar o seu sistema de estudo para que ele realmente tenha o efeito esperado: sua aprovação!

Leia Também: Plano de Aprovação: A Ferramenta essencial para organizar seus estudos

2 – Reclamar das matérias

Você aprendeu a montar um Plano de Estudo, certo? Mas quando começa a estudar fica xingando as matérias. Então voltou a estaca ZERO. Reclamar das matérias é um tiro no pé, porque fazendo isso você automaticamente ordena ao cérebro o bloqueio da aprendizagem. Outro dia uma aluna me disse que detestava estudar Machado de Assis e não entendia porque precisava ler aqueles textos “chatos” para o vestibular de medicina. Perguntei como ela pretendia passar no vestibular de medicina da USP, lendo gibis da turma da Mônica? O professor oferecia o melhor, ela reclamava, porque queria o mais fácil. Você não pode reclamar das matérias e sim descobrir o que o impede de gostar. Dominar um texto de qualidade desenvolve seu sistema cognitivo e prepara você para dominar qualquer outro tipo de texto. Então a pergunta que cabe neste ponto é: Você sabe estudar? Quando não sabemos estudar acabamos colocando a culpa na matéria.

3 – Deixar dúvidas para trás

Estudar a matéria, fechar o livro, olhar no espelho e ver aquela cara de ponto de interrogação é frustrante, concorda? Muitos estudantes se permitem encerrar os estudos com a cabeça cheia de dúvidas. Saem da sala de aula com a sensação de estar faltando uma peça do quebra cabeças.

Nunca permita isso! Pintou uma dúvida, corra, pesquise, pergunte, desvende-a. Seja obcecado por elucidar dúvidas. Hoje você tem todo conhecimento produzido pela humanidade na ponta dos seus dedos, frequente fóruns de discussão, blog, converse com professores e especialistas.

4 – Ignorar a importância da memória

Certo, agora você é um expert em tirar dúvidas, segue um mapa de estudo e ama estudar todos os tipos de matéria. Mas pergunto, e a memória? Tem algum conteúdo na memória?

Conheço muitos estudantes que são feras em memória de curta duração. Na sala de aula, nos estudos sabem tudo, meia hora depois não se lembram de nada!

Um dos erros mais graves que um estudante pode cometer é subestimar a importância da memória no processo de preparação. Pesquisas mostraram que é a memória quem derruba a maioria dos estudantes. Ela é a base da inteligência, fornece matéria prima para o raciocínio e consolida todo conhecimento absorvido nas horas de estudos. É também a memória que lhe entregará de bandeja no momento da prova tudo o que você aprendeu. Se você não memoriza a longo prazo aquilo que estudou, dificilmente conseguirá lembrar. Não lembrando-se, ficará ansioso e a ansiedade, adivinhe, vai agravar ainda mais o branco na memória. É preciso incluir as técnicas de memorização no seu pacote de habilidades mentais.

5 – Ser um eterno estudante do fundamental

Você já reparou que a maioria dos estudantes de vestibular e concurso estudam da mesma forma que faziam quando estavam no fundamental. Leem, releem, anotam, esquecem, leem tudo de novo… Se olhar com uma lupa, notará que o sistema de estudo que você utiliza talvez ainda seja o mesmo que utilizava na quinta série, ou seja, as matérias mudaram, mas o jeito de aprender continua o mesmo. A forma de aprender mudou, porque o mundo mudou. Hoje temos acesso a informação, as formas de avaliação mudaram e o peso das habilidades cognitivas é maior. Por exemplo: Algumas provas a redação é mais importante do que o conhecimento específicos das regras gramaticais. Em outras a habilidade de se expressar verbalmente é o que conta mais pontos. Um estudante moderno não é aquele que estuda com um tablet nas mãos, mas aquele que conta com um leque de habilidades mentais que o ajudam a aprender apesar da complexidade do mundo. Permita-me um conselho: invista o que puder em novas habilidades e você será um candidato bem acima da média.

Resumo:

Dizem que os maiores erros cometidos pelos estudantes é o de deixar o celular ligado, estudar ouvindo música, vendo televisão, etc… Estes são alguns pecados óbvios e… perdoáveis, digamos assim. O que você precisa investigar é a influencia invisível e sutil dos problemas citados acima. Perguntar a si mesmo porque a aprovação não acontece. Um autoexame responsável e crítico deverá apontar para os problemas como desorganização, desmotivação, medo de perguntar (que gera ansiedade), falhas de memória e esquecimentos frequentes. O mundo mudou, a forma de ser avaliado mudou e nossa postura diante dos estudos precisa mudar. Nós estamos vivendo a era do cérebro e não mais dos músculos. Quem vence não é mais o mais forte, e sim o mais rápido, o mais preparado. Você tem mil e um motivos para desejar a aprovação no concurso público, mas como ensina a metáfora do lenhador, é preciso primeiro amolar o seu machado, preparar as ferramentas.

Bons estudos e boa sorte nas provas!

 

Originalmente postado em: http://renatoalves.com.br/blog/os-5-piores-erros-cometidos-por-estudantes/

6 Comentários

  1. Pingback: Como estudar para concurso com curso de memorização

    • Débora Urizzi
      Débora Urizzi Responder

      Obrigada Franciane.. Fico feliz que esteja gostando do blog.. Isso mesmo, coloque em pratica que tenho certeza que seu desempenho nas provas vai ser incrível!

  2. Pingback: Como controlar a ansiedade antes do concurso público

  3. Pingback: Curso de Estudo e Memorização - Convocações Online

Escreva um comentário